quarta-feira, 15 de outubro de 2008

RemiNiscênCia(‘ ’)

Ela permanecia viva, por mais que desejasse morrer. A dor ultrapassava a barreira da carne, ia além da alma, era inexplicável.
Procurava na memória algo que pudesse lhe fazer querer acordar, levantar, seus neurônios não a ajudavam. Ao menos seu cérebro trabalhava.
Desejou por um segundo sentir um cheiro, um cheiro que já não conseguia se lembrar. Apeteceu recordar seus traços, a muito eles haviam sumido de sua mente, não voltava, por mais que forçasse sua memória a trabalhar. Tudo havia sumido.
Apertou forte o travesseiro, veio aquela vontade imensa de gritar, não poderia continuar assim.

6 comentários:

moni disse...

só o dono da dor sabe o quanto dói!!! beijoss

Nataliinha disse...

Desejou por um segundo sentir um cheiro, um cheiro que já não conseguia se lembrar...
Adoreii ... (L)
Beiijoos =*

Késia Maximiano disse...

E que essa vontade de sumir dê lugar a uma imensa vontade de superar tudo e viver..

Super beijo

Zir Limon disse...

Muito bonito , e obrigada pelo comentário :)

Maria Fernanda disse...

Sinto que é como sonhar.. Que o esforço pra lembrar é a vontade de esquecer...;

lembranças traiçoeiras.

Jean Piter disse...

Há dores que conduzem a loucura.
Deus me livre delas.!
rs

beijos pra ti linda
saudades